Comentários deste post  
Os comentários são de responsabilidade dos autores
PLANEJAR, PARA QUEM? Planejamento, parece a palavra que todos os governantes que passaram pelo Palácio Guanabara não exercitam quando alçados ao alto posto do Executivo Estadual. Explico: Na década de 70 o Estado possuia a FUNDREM – Fundação de Desenvolvimento da região Metropolitana, autarquia da Secretaria de Planejamento que pensava a Região Metropolitana para os próximos 30, 50 anos . Com a extinção da FUNDREM nunca mais pensou - se as políticas públicas,aí incluído o sistema de transportes. O resultado é o que se vê hoje, agravado com a privatização do sistema: Até a posse do Governador Sérgio Cabral não existia no Estado a Secretaria de Obras. Os técnicos que possuiam o acervo da FUNDREM foram convocados pelo seu titular que também é o Vice - Governador ,Pézão e ,esperto, puxou para debaixo da sua Secretaria o DER - RJ, a EMOP e a CEDAE. Com os projetos e técnicos de excelência recrutados no Metrô, deu um salto de qualidade apresentanto projetos consistentes ao Governo federal e com isso conseguiu recursos nunca antes visto para obras no Estado. Acontece que o Planejamento continua dormindo e as decisões são tomadas no calor das necessidades do comitê dos jogos olímpicos de 2016 como se os 12 milhões de cidadãos que vivem no Grande Rio não precisassem de transporte, habitação, saneamento, infra- estrutura para viverem e se deslocarem onde moram, HOJE. O sistema de transporte por ônibus é responsável´por mais de 70% dos deslocamentos efetuados na cidade e no Grande Rio e essa realidade não mudou, permanece a mesma de 40 anos atrás. A Prefeitura de Curitiba criou em 1974 o IPPUC - Instituto de Planejamento e Pesquisa da Cidade de Curitiba. Por lá passaram o Cásio Taniguchi ,o Jaime Lerner que por pensar a cidade para os próximos 50 anos, foram Prefeitos e Governador. As administrações que o sucederam deram continuidade ao Planejamento executado. Resultado: A cidade é referência nas áreas de cultura, transporte, infra- estrutura, habitação do país. Fácil, né. É só ter vontade política. AINDA DÁ TEMPO. No Estado do Rio esse quadro se agravou quando em 1998,na onda do neoliberalismo “bresseniano” o governante de plantão resolveu entregar de mão beijada, o trem, o metrô e as barcas para a iniciativa privada através de concessão . Teve até badaladas de sino na Bolsa de Valores. Doze(12) anos depois, o que se vê é esse caos que segundo o Governador Cabral não tem volta, embora mande “e-mails desaforados” para o Pres. do Metrô e da Supervia. Criaram a Agentransp que vive "agentranspeando". MOLON NELES. A Secretaria de Panejamento e Gestão cujo titular é o competente Sérgio Ruy Barbosa tem sob a sua responsabilidade o CIDE - Centro de Informações de Dados; (IBGE Estadual) a CEDERJ, antiga FESP e o RIOPREVIDÊNCIA . Ele vem fazendo um belo trabalho a frente da pasta que já foi SEPDET, a até Secretaria de Articulação Institucional á época da Governadora Rosinha. Sua marca é o Conselho Gestor das PPP cujo 1° projeto era os bondes. Com a passagem para o município do sistema de bondes de Santa Teresa não se tem mais notícia.É muito pouco Finalmente, a Secretaria de Transportes foi esvaziada totalmente.Tiraram dela o metrô,as barcas e o trem com a privatização "marcelista". O DER-RJ que cuida das rodovias estaduais foi para a Secretaria de Obras. O DETRO responsável pelo sistema de ônibus intermunicipal foi para a Secretaria de Governo. O DETRAN, para a Casa Civil. Sobrou, a CODERTE, e as falidas CTC, RIOTRILHOS(fusão do Metrô, podre e a FLUMITRENS). Coitado, do Júlio.Não é mágico. Rainha da Inglaterra. TÁ FEIA A COISA. Enquanto isso,o Prefeito Eduardo Paes que fiscaliza 9300 ônibus responsável pelo transporte de mais de 80% dos trabalhadores da cidade do Rio sonha com o TRANSCARIOCA,TRANSOESTE, VLT no Porto maravilha e não consegue por em prática a RACIONALIZAÇÃO das linhas de ônibus com a integração com o metrô e os trens evitando a competição de linhas de Onibus transitando paralelo ao metrô e aos trens. É verdade que seu secretário Al. SANSÃO, careca não tem traquejo na área. Prefeito, ACORDE.3 ANOS ,VOA. Renato Alves Teixeira Ex – Diretor de Planejamento do Metrô (1991/1994) Consultor de Transporte e Trânsito
Renato Alves Teixeira - 26/1/2010 11:17:51

O nobre deputado Alessandro Molon (PT), teve uma boa iniciativa em visitar o metrô na hora do rush e tentar buscar uma solução para esse problema que vem se arrastando desde a ampliação da linha 2, em 1998. Porém, o problema não é pontual, culpa da concessionária do metrô e sim mais amplo, culpa dos governos (estadual, municipal e federal) que ao longo dos anos não investiram em transporte público - o transporte público do Grande Rio, não acompanhou o crescimento das cidades e da população. Acredito que o deputado Molon, não sabe que a Supervia possui um ramal (BELFORD ROXO/LINHA AUXILIAR) que segue paraelelo a linha 2 do metrô até a Pavuna, sendo que este ramal opera com intervalos de 30 minutos nos horários de pico (absurdo), e trafega com trens velhos, que sempre apresentam defeitos. Grande parte dos usuários do metrô, vêm da baixada e integram o sistema, via integração na Pavuna buscando uma passagem mais em conta e um transporte de qualidade. O deputado Molon, acredito eu não tem conhecimento que hoje a Supervia transporta menos da metade dos passageiros que a Rede Ferroviária Federal transportava na década de 80, e que vários ramais de trens foram sucateados ou encerrados. a exemplo da linha de trem que segue até a cidade de Magé, a linha até Raiz da Serra, a linha de trem que circulava em São Gonçalo e a linha de trem que seguia por São Mateus e Edem em São João de Meriti. Tudo isso ocasionou, ao longo do tempo, o aumento do número de ônibus, grandes engarrafamentos diários, surgimento de vans e kombis, que que como uma doença se prolifera em todos os cantos do Grande Rio. Então fica o meu registro e agradecimento ao Nobre deputado Molon, que pelo que vejo em atitude única se interessou por um problema que vem complicando diariamente a vida de boa parte da população e na esperança de que os governantes atentem e resolvem a médio prazo este grave problema.
CLAUDIO AZEVEDO - 16/2/2010 21:31:46

Comente você também  
Nome:
 
E-mail:
 
Seu comentário:
 
      
Este espaço tem como objetivo o debate de idéias sobre os assuntos de interesse da população do Estado do Rio de Janeiro. Não serão aceitas as mensagens desrespeitosas, em linguagem ofensiva, de origem duvidosa ou que contenham interesses comerciais, cabendo a decisão sobre sua publicação ao moderador. Os comentários são de responsabilidade dos autores.